Empresários que administram rodovias consideram que a Medida Provisória 752/2016, a MP das Concessões, não viabilizará as obras nos cerca de cinco mil quilômetros de rodovias cujos contratos foram assinados a partir de 2013 como parte do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). A Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) entende que as concessões foram afetadas pela retração econômica e a proposta do governo de permitir uma rescisão amigável dos contratos. Para o presidente da entidade, César Borges, a relicitação das concessões de rodovias não resolve os problemas dos contratos e paralisa os investimentos em obras.

A MP estabelece diretrizes para a prorrogação e a relicitação dos contratos de concessão de aeroportos, rodovias e ferrovias que não estejam sendo cumpridos ou quando a concessionária não demonstre capacidade de arcar com as obrigações assumidas.