A dragagem, no Porto de Santos (SP), não lembra nem o parto da montanha. Se a montanha pariu um rato, a dragagem é uma natimorta. Confiabilidade, continuidade e custo, nessa ordem, são os três pontos que devem balizar um plano de dragagem que garanta acessibilidade aos terminais portuários.

Leia também
* Fracassa licitação da SEP para dragagem do Porto de Santos
* Dragagem do Porto de Santos, uma longa história
Começa dragagem do Porto de Santos

Confiabilidade significa que as profundidades de projeto foram atingidas cabalmente. Continuidade garante que essas profundidades serão mantidas, permitindo, sempre, o acesso de navios ao porto, capazes de atenderem a demanda dos comércios nacional e mundial.

O custo, ora o custo! Será sempre aquele suportável pelos "agentes portuários", sejam eles privados (investidores, terminais, operadores, mercadores, navegadores, enfim todos os que fazem do Porto seu core business) ou governamentais, estes quando visam o desenvolvimento econômico e social do País. Aos “custos” se contrapõem os prejuízos gerados pela não efetivação dos negócios, pelas perdas logísticas, pela ineficiência dos transportes marítimos e operações portuárias e, no nosso caso, pelo malfadado custo Brasil.

Agora, para espanto geral, a dragagem, sendo realizada ou não, é paga pela Navegação à Autoridade Portuária embutida na Tabela I – Utilização da Infraestrutura Portuária. Parece ser esse o “enigma da esfinge” (ou de Brasília), estar nos acostumando a pagar por um serviço que não temos.

Portogente se lança no desafio de debater um modelo de contrato para a dragagem dos portos vinculado à garantia de profundidade para a navegação.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*O Dia a Dia é o editorial do Portogente publicado de segunda a sábado e expressa fielmente a posição coletiva dos responsáveis pela redação do website