MSC1A TV Senado, no dia 17 último, apresentou, no programa Diplomacia, uma reportagem de 14 minutos sobre os problemas cada vez mais comuns, maiores e perigosos dos cruzeiros marítimos que “cortam” a costa brasileira e cruzam oceanos. Na busca de diversão, muitos passageiros encontram pesadelos. Números apresentados no programa, de acordo com a Organização das Vítimas de Cruzeiros (OVC), dão conta que, de 1998 a 2012, foram contabilizadas 1.429 pessoas vítimas de violência sexual em todo o mundo dentro desses transatlânticos, 171 desapareceram no mar e 50 mil apresentaram algum tipo de contaminação.

 Leia também
* O vídeo, o lixo e a nota oficial da MSC Cruzeiros
* Lata de lixo do mundo

Segundo Alexandre Frasson, da OVC e pai da nutricionista Bruna Frasson, que se encontra presa na Espanha – a jovem foi vítima de um esquema mafioso de tráfico de drogas que acontece dentro de navios de cruzeiros –, essas viagens turísticas marítimas se transformaram num verdadeiro mundo paralelo, onde tudo pode acontecer ao arrepio das leis dos países, “um ambiente bastante perigoso”. Apenas os Estados Unidos, depois de muita pressão das vítimas, aprovaram leis rígidas sobre o assunto. No mais, é a terra, ou melhor, é o “mar de ninguém”.

A periculosidade e a insalubridade de alguns cruzeiros voltaram ao destaque jornalístico, no início deste ano, por conta de denúncia filmada (assista aqui) de um passageiro do navio MSC Cruzeiros, onde mostra o descarte, criminoso, de lixo da embarcação em mar brasileiro.

Lixodecomposicao

Em 2010, o Greenpeace já informava que as notícias não são nada boas quando falamos da saúde ambiental do Oceano Antártico. De acordo com uma pesquisa desenvolvida entre 2007 e 2008 pelo Greenpeace e pela British Antarctic Survey, a região, apesar de não habitada pelo homem e de extrema importância para a vida marinha, já convive com lixo marinho. Confira, neste link, infográfico sobre o tempo que cada material leva para se decompor.

Até o momento, a MSC Cruzeiros não respondeu às questões do Portogente sobre o descarte ilegal de lixo em mar brasileiro e quais as normas adotadas pela empresa - com sede em Genebra, na Suíça - para tal situação, inclusive com a apresentação de documentação atestando pesagem dos resíduos, local e forma de descarte e qual o órgão fiscalizador de todo esse procedimento. Enquanto as respostas não chegam, acompanhe no vídeo abaixo o que o lixo causa ao mar, aos animais e ao homem:

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*O Dia a Dia é o editorial do Portogente publicado de segunda a sábado e expressa fielmente a posição coletiva dos responsáveis pela redação do website