Não há coerência, correspondência nem pragmatismo

Erra três vezes o governo Bolsonaro ao pensar em vetar a prorrogação do Reporto, instituído pela Lei nº 11.033/2004, para incentivar a modernização e potencializar a estrutura portuária brasileira. Primeiro, vai eliminar um fomento ao desenvolvimento tecnológico; segundo, desacelera a produtividade na movimentação portuária e, terceiro, desfavorece a competitividade do produto nacional no mercado internacional.

Veto ao Reporto é tiro no pé do governo

Leia também
Desestatização da Codesa é frágil

Pensar o progresso do Brasil como venda de ativos e sem incentivo ao desenvolvimento é o resultado que já se colhe, com o maior choque de juros dos últimos 20 anos e os 15 pedidos de exoneração no Ministério da Economia, entre os quais, quatro secretários do ministro. No âmbito dos portos, o veto à prorrogação do Reporto adiciona mais insegurança ao programa de desestatização, de tantas incertezas.

Leia também
Portos brasileiros por uma desestatização sem visão

Esse benefício garante isenção de IPI, PIS/Cofins, ICMS estadual e imposto de importação, na compra de máquinas e equipamentos, sem similares nacionais, como os portêineres. Assim, fomenta a produção, favorece novos trabalhos e a poupança, bem como a atividade empresarial. Ou seja, aumenta a arrecadação na outra ponta em um processo econômico avançado, social e distributivo. Para alçar os portos brasileiros ao patamar dos grandes mundiais.

Leia também
Santos2050: um projeto para mais de US$ 25 bilhões

Trata-se de desonerar em mais de 50%, com o papel-chave desempenhado pelo incentivo, correspondente à produtividade, poupança e à atividade empresarial, para resultar progresso tecnológico e aumentar o rendimento per capita. Bate à porta a tecnologia 5G, da automação e inteligência artificial, que está tornando a competição maior do que parece. Esses fatores estão definindo os portos mais ágeis do mundo. É uma decisão estadista.

Leia também
Valdemar Costa Neto para dar rumo ao Porto de Santos

O veto do governo à prorrogação do Reporto até dezembro de 2023, de pronto, será um golpe no desenvolvimento do Brasil. Politicamente, fará uma demonstração de visão estreita de Estado e de falta de sintonia com o momento tecnológico. Como governo, irá tomar uma decisão descolada das suas bases produtivas e sociais. No caso, principalmente das comunidades portuárias.

Leia também
Deputada tem a palavra do ministro de construir o túnel submerso no Porto de Santos

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*O Dia a Dia é a opinião do Portogente

O que você achou? Comente