Dificilmente o guru Paulo Guedes vai ter sustentabilidade suficiente para ser o homem central de um eventual governo de Jair Bolsonaro. A investigação a que ele vem sendo submetido pelo Ministério Público Federal, para apurar se cometeu os crimes de gestão fraudulenta ou temerária, decerto vai mudar o eixo da defesa do modelo de governo para o Brasil. Principalmente porque as suas teorias liberais para colocar o País nesse eixo não encantaram até mesmo os militares. Logísticas e infraestrutura são fins que demandam meios adequados como solução.

Navio infraestruturaImagem: Pixabay. 

No âmbito das logísticas, o Ministério dos Transportes vem sendo comandado extraoficialmente por Valdemar Costa Neto, e mesmo depois de ter sido encarcerado, parece que ele continua a enxergar a administração pública com a mesma produtividade de sempre, visando prioritariamente aos seus interesses políticos. Disso tem resultado índices dos piores do mundo para segurança nas nossas estradas, gargalos nos portos e aeroportos deficientes. Economicamente, trata-se de resistências à competitividade global do produto brasileiro e, como resultado prático, baixo crescimento e alto desemprego.

Em um cenário mundial onde ocorre uma disputa renhida no tabuleiro comercial, entre Estados Unidos, China e Rússia, é preciso descomplicar o Brasil para conseguir superar os seus limites das commodities agrícola e mineral e se destacar, a exemplo da Índia, no desenvolvimento tecnológico. Participar desse cenário é um requisito para o desenvolvimento. O primeiro e o mais ousado passo é desmontar o balcão de negócios atrelado ao centro político que virou Brasília, pactuado principalmente pelo empresariado com visão de eficiência negocial viciada e que entende, assim, ser mais prático obter uma vitória concorrencial.

Leia também
* Eleições na reta final

Definitivamente e para aumentar o poder de desenvolvimento, é preciso descentralizar as decisões e agilizar a solução, para fomentar e priorizar a competitividade regional no fortalecimento da produtividade nacional, bem como desenvolver competências e gerar trabalho. As urnas mostraram que a sociedade quer mudanças. Velhos caciques foram defenestrados do salão do poder. Na era das redes sociais da Internet, o Brasil tem que ser organizado em redes descentralizadas e externamente dependentes da sua participação em uma estrutura complexa de redes nacionais e redes internacionais dos mercados. É a era da tecnologia do Blo ckchain, que permite acesso a banco de dados distribuído e descentralizado.

Leia ainda
* Logística portuária no próximo governo

O debate político nesses próximos 17 dias deve ser intenso e esclarecedor. É possível fazer um discurso que possibilite a Inteligência das coisas e das ações que são propostas. E que o entendimento das suas necessidades sobreponha a linguagem de cunho animalesco que vem predominando memes e fake news. Esse extraordinário nível de participação política em uma eleição que se verifica, tem a agilidade da internet. É a sociedade brasileira que, atordoada com tantas informações horrorosas, está dizendo: basta. Ao mesmo tempo, o Brasil sabe que precisa achar um caminho para prosseguir melhor.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s