A Red Hat, líder global no fornecimento de soluções open source, anunciou uma série de novidades para o mercado. Entre elas, o OpenShift Virtualization, o Red Hat OpenShift 4.4 e o Red Hat Advanced Cluster Management for Kubernetes. As soluções foram desenvolvidas para ajudar organizações de todos os portes e dos mais variados setores a otimizar, escalar e proteger suas operações de TI frente às mudanças nas dinâmicas globais, que exigem cada vez mais flexibilidade, escalabilidade e agilidade. As apresentações das novas ferramentas foram feitas durante o Red Hat Summit 2020, realizado pela primeira vez de maneira virtual, nos dias 28 e 29 de abril.

“Mais do que nunca as necessidades específicas de cada organização estão em foco – algumas precisam escalar operações imediatamente para atender a incansável demanda por serviços, enquanto outras buscam fortalecer e manter operações essenciais de TI. Em vez de apenas fornecer tecnologias para uma necessidade ou para a outra, a Red Hat traz um conjunto de soluções totalmente aberto, possível de ser implementado da maneira que as organizações precisarem”, afirma Paul Cormier, CEO da Red Hat.

Com o Red Hat OpenShift, a Red Hat foi pioneira em uma plataforma de Kubernetes empresariais que permitiu aos clientes adotarem abordagens nativas em cloud enquanto ofereciam suporte à aplicações tradicionais existentes. Para ajudar a eliminar as barreiras nessa relação, a Red Hat está introduzindo funcionalidades que permitem cargas de trabalho inteiramente novas no OpenShift.

O OpenShift virtualization permite que organizações desenvolvam, implantem e gerenciem aplicações que consistem em máquinas virtuais junto com containers e serverless, tudo em uma plataforma moderna que unifica cargas de trabalho tradicionais e nativas em cloud. Já o Red Hat OpenShift 4.4, versão mais recente da plataforma de Kubernetes empresariais líder do setor, fortalece a simplicidade e escala do Kubernetes Operators. Baseado no Kubernetes 1.17, introduz uma visão de métricas de plataformas e monitoramento de cargas de trabalho de aplicações centradas nos desenvolvedores; monitora a integração para Red Hat Operators; faz gestão de custos para medir os recursos usados para aplicações específicas na hybrid cloud e muito mais.

Para solucionar os desafios de gestão da operação de aplicações nativas em cloud em larga escala, produção e clusters distribuídos de Kubernetes, a Red Hat também está introduzindo uma nova solução de gestão. O Red Hat Advanced Cluster Management for Kubernetes oferece um ponto de controle simplificado para o monitoramento e implantação de clusters em OpenShift, com governança e gerenciamento do ciclo de vida de aplicações.

Todas as inovações podem ser integradas aos principais fornecedores de cloud pública no Amazon Web Services, Google Cloud Platform, IBM Cloud e Microsoft Azure, assim como muitos provedores de cloud especializados. Além disso, são soluções gerenciadas através do OpenShift Dedicated, Azure Red Hat OpenShift e IBM Red Hat OpenShift Kubernetes Service, permitindo que as organizações obtenham os benefícios de Kubernetes empresariais sem o fardo da gestão da infraestrutura; e dão suporte para várias arquiteturas computacionais, incluindo x86, IBM Power e mainframes.

A Red Hat também investiu para ajudar organizações a obter o máximo de suas infraestruturas apresentando melhorias para o Red Hat Insights, com oferta de segurança proativa e gestão de risco em formato “as a service”, o que torna mais fácil para as equipes de TI detectarem, diagnosticarem e remediarem potenciais problemas antes que impactem os sistemas de produção ou usuários finais. Além disso, aprimorou a Red Hat Ansible Automation Platform, que também ajuda a solucionar as complexidades para expandir demandas de rede e infraestrutura, contribuindo para que equipes de TI possam atender aos clientes e às necessidades do usuário.

 

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

  escreva corporativas