• A capacidade dos trens de carga

    Com relação aos trilhos, existem diversos tipos de forma e de peso. Com relação à forma, o mais usual no Brasil é o perfil Vignole e, quanto ao peso, os trilhos são caracterizados pelo valor em quilogramas de uma barra de um metro de comprimento. Exemplificando: o trilho TR-45 indica que uma barra de 1,00 metro desse trilho deverá pesar aproximadamente 45 quilogramas

  • A manobra da Embraport e as iniciativas das indústrias ferroviária e farmacêutica

    Operação noturna no terminal em Santos - Foto: site Embraport

    Embora seja difícil de escrever e de falar, Odebrecht passou a ser uma palavra muito presente no cotidiano dos brasileiros. Ainda que não seja a única companhia corruptora do País, no momento passou de expoente dos negócios para vilã da sociedade

    site embraport capa

  • Buzinas de trem em área urbana incomodam população

    Barulho, desconforto, péssimas noites de sono e a conseqüente perda na qualidade de vida. Essa série de fatores nada agradáveis é resultado direto do barulho da buzina dos trens que atravessam regiões populosas da cidade de Santos. O modal ferroviário, uma alternativa fundamental para descongestionar os gargalos logísticos do maior porto da América Latina, tem tirado o sono das pessoas que moram próximas à linha férrea, especialmente no trecho da Avenida Francisco Glicério, entre o canal 1 e a Avenida Conselheiro Nébias

  • Locomotivas da Vale ganham “piloto automático”

    A mineradora Vale e a GE Transportation desenvolveram um sistema, inédito no Brasil, que permite conduzir automaticamente os trens da empresa por meio de um computador de bordo.

  • Trens não andam na linha em Santos

    Quem nunca viu a famosa placa de sinalização “Pare, Olhe e Escute”, instalada no cruzamento das linhas férreas? Pois é, mas até mesmo cumprir esta simples determinação tem se tornado difícil na Baixada Santista. A falta de sinalização, o vandalismo contra o patrimônio e o descaso das autoridades geram acidentes e o receio em alguns motoristas que, em pelo menos três cidades da Baixada Santista, são obrigados a cruzar a linha diariamente, pois os trens de carga rumam incessantemente ao Porto de Santos.