* com informações da assessoria de imprensa

No Brasil é notório que o setor de agronegócio possui uma representatividade muito alta dentro da economia. Segundo dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em 2017, o setor deve possuir um crescimento próximo de 2% dentro do Produto Interno Bruto (PIB) do País, seguindo a crescente de 2016, onde saltou de 21,5% para 23%. Para o escoamento de toda a produção, o transporte rodoviário por meio de caminhões é o mais utilizado e com o crescimento da tecnologia dentro das diversas camadas da sociedade, vemos uma mudança na relação na produção e na locomoção das cargas.

Um desses exemplos de transformação é o crescimento da CargoX, primeira transportadora brasileira baseada integralmente em tecnologia e inovação, junto ao mercado de agronegócios. Com seu modelo diferenciado, onde trabalha com uma frota de caminhoneiros autônomos, em modelo similar ao Uber, e, com o auxílio de seus dados, atuando com as cargas de retorno, ela permite um modelo mais vantajoso para os embarcadores e motoristas. Esse modelo fez com que a empresa conquistasse, logo em seu primeiro ano de atuação, 10 clientes no segmento e prevê um aumento de 30% até o final de 2017.

A importância do setor também é apresentada nos investimentos da empresa. Recentemente, a companhia abriu mais 3 filiais no estado do Mato Grosso, em um investimento perto de R$10 milhões. Para Federico Vega, CEO e fundador da CargoX, esse é um segmento que impulsiona a companhia e será um dos mais beneficiados com seu modelo de negócio. “Nós temos em nossas mãos os dados das safras, dos deslocamentos dos caminhoneiros e também da necessidade dos embarcadores, assim, casamos as informações e possibilitamos economia, agilidade e segurança em uma só plataforma” detalha.