Wanderson Leite* Fundador das empresas ProAtiva

O surto do novo coronavírus tem feito muitas empresas permitirem o trabalho em home-office. Como forma de reduzir a circulação de pessoas e, assim, diminuir os riscos de contrair e atuar como vetor do vírus, o próprio Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu permitir o trabalho remoto desde o início de março, quando a epidemia começou a se intensificar no Brasil.

Apesar de ser uma medida muito positiva, é fato que o home-office reserva uma série de segredos para dar certo. O ambiente não é o mesmo, mas a rotina deve ser o mais próxima possível no usual. Um dos primeiros passos é tentar girar a chave e entender que o horário de trabalho começou. Isso inclui também familiares e até o pet, que podem demandar algum tipo de atenção. Deu o horário, é mão na massa! E lembre-se: isso vale também para a hora de parar. Estar em casa não é desculpa para estender o expediente. Foque na produtividade, não nas horas extra.

Outro ponto importante é tentar configurar um ambiente que lembre o do dia a dia. Pode ser tentador, mas trabalhar deitado na cama ou no sofá não é o mais adequado. Busque um cômodo que permita relaxar, mas que ainda te mantenha focado – e não se esforçando para não cair no sono.

Além disso, movimente-se! A rotina de trabalho não é só ficar sentado em frente ao computador. Também temos colegas de trabalho com quem conversamos, levantamos para ir ao banheiro ou tomar uma água, além de almoçar. Tudo isso faz parte da dinâmica e é preciso ter momentos de descompressão. Priorize fazer seu almoço, ao invés de pedir comida por aplicativo, por exemplo. Será um tempo dedicado a você e ao seu bem-estar!

Mas é importante lembrar que o momento, provocado pelo surto do novo coronavírus, pede uma mudança de entendimento inclusive dos empregadores. Geralmente, são muitos os colaboradores de uma empresa que se utilizam do transporte público para trabalhar. Agora, não há necessidade de submetê-los ao risco de aglomerações. Além disso, se o trabalho pode ser feito em home-office, a recomendação é mesmo ficar em casa.

Na Prospecta Obras, nós liberamos toda a equipe para fazer home-office. As redes sociais, como Facebook, Skype e WhatsApp, permitem fazer reuniões de alinhamento e manter um nível de produtividade. Além disso, elas se tornaram mais curtas e objetivas, buscando discutir apenas o que é necessário. Fizemos isso pensando, essencialmente, nos colaboradores de idade mais avançada e nos grupos de risco.

Devemos lembrar que, hoje, estamos falando de um vírus. Mas o trabalho em home-office é uma alternativa que muitas empresas deveriam considerar para o dia a dia. Há muito tempo, a gente vem falando em superlotação do transporte público, preservação do meio-ambiente, índices de violência altíssimos, entre outras coisas...

Não se trata de isolar as pessoas, mas de garantir uma qualidade de vida maior. Almoçar em casa, não pegar transporte lotado, congestionamento, e ainda ter um rendimento maior em casa do que teria no escritório são questões, muitas vezes, impagáveis para o trabalhador. Isso vai ao encontro da nova realidade do comércio mundial: a maioria dos clientes não vai mais às lojas, prefere o e-commerce. A presença do cliente online aumentou muito e é preciso estar onde ele está.

Por ter esse entendimento, desde 2014, cerca de 85% da equipe da Prospecta Obras faz trabalho remoto. Além disso, contamos com um programa de franquias home-based, que já beneficia 66 franqueados em todo o país. O atendimento ao cliente também é feito fora do escritório, por treinamentos e suporte online, por videoconferência ou por telefone.

Isso é otimizar tempo. É preferir um dia a dia mais assertivo na relação com os colaboradores e com os clientes. Entender que o tempo é algo precioso para todos nós e, por isso, deve ser aproveitado ao máximo, seja em tempos de coronavírus ou não.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.