O Super Nintendo foi lançado no Japão em 1990, e logo acabou conquistando o mundo todo, tornando-se um dos consoles mais populares da história ao vender mais de 49,1 milhões de unidades. Esse ícone da era dos 16-Bit fez tanto sucesso por um motivo: o seu excelente catálogo de jogos que marcou toda uma geração, ao conter títulos lendários que são lembrados até os dias de hoje.
Dentre alguns jogos que são considerados obras primas e que foram criados pela própria Nintendo estão o The Legends of Zelda: A Link to the Past e Super Mario World. Contudo, a Big N não era a única a produzir games icônicos, por conta disso, separamos aqueles títulos de maior sucesso do Super Nintendo, mas que não foram desenvolvidos pela companhia japonesa.

1 - Chrono Trigger: A Square (atualmente Square Enix) é uma desenvolvedora extremamente aclamada pela série Final Fantasy - porém, a empresa tem um belo histórico quando o assunto são RPGs de sucesso. Em 1995, a companhia lançou o lendário Chrono Trigger, um jogo com uma história fantástica de viagem no tempo, onde os protagonistas precisam se aventurar desde uma era pré-histórica ao futuro devastado após o apocalipse para impedir essa grande catástrofe.
Toda a trama junto a uma jogabilidade ótima e uma trilha sonora marcante faz de Chrono Trigger um dos melhores títulos já produzidos para o Super Nintendo.

chrono-trigger-cover.jpeg

2 - International Superstar Soccer: Criado pela Konami, o International Superstar Soccer (ISSS) foi lançado em 1994 e é considerado um dos melhores jogos de futebol da história. Com uma mecânica apurada, diversas opções de customização e um número enorme de jogadas diferentes, o game tem uma jogabilidade bem fluida, que acabou agradando milhares de jogadores. No Brasil, o título fez um sucesso imenso e, mesmo com o ISSS caindo em desuso com o tempo, continuamos amando o futebol, uma prova disso é popularidade de plataformas como LeoVegas sport, que tem angariado cada vez mais fãs ao cobrir os principais eventos esportivos do planeta, dando a possibilidade dos usuários apostarem nas partidas do seu time do coração quando quiserem.

International Superstar Soccer.jpeg

3 - Super Castlevania IV: Com mecânicas clássicas de plataforma, a franquia Castlevania da Konami sempre recebeu o devido destaque. O Super Castlevania IV, lançado em 1991, conseguiu tirar o máximo proveito de uma fórmula que vinha funcionando nos últimos anos, e conseguiu aprimorá-la adicionando belos gráficos e uma gameplay muito mais refinada que os títulos anteriores.

4 - Final Fantasy VI: Mais um título da Square, Final Fantasy VI foi um dos principais lançamentos da indústria dos games em 1994, e desde a sua estreia se tornou um divisor de águas no gênero RPG. Sendo o último título da era 2D da franquia, ele é considerado por muitos fãs o melhor jogo da série Final Fantasy. Boa parte dos elogios se deve à profundidade dos personagens e ao enredo do game que apresenta reviravoltas impressionantes.

5 - Teenage Mutant Ninja Turtles IV: Turtles in Time: Desenvolvido pela Konami e lançado em 1992, Teenage Mutant Ninja Turtles IV: Turtles in Time era em parte um jogo de arcade, que trazia o divertido gênero Beat’em up (briga de rua) e passou a ser considerado um dos melhores multiplayers da história do Super Nintendo. Na trama, as adoráveis Tartarugas Ninjas devem percorrer diversas eras através do maligno vilão Destruidor para impedir seus planos de dominação.

6 - Secret Of Mana: Se há uma empresa especialista em lançar RPGs é a Square. Secret of Mana foi lançado em 1993, indo na direção contrária dos títulos daquela época, apresentando aos jogadores um RPG de ação em tempo real, num período onde os RPGs de turno dominavam o mercado. Como é comum neste gênero, o título é ambientado em um mundo de fantasia, e o protagonista deve visitar oito templos com o intuito de recuperar o poder da Espada de Mana e assim salvar o mundo.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

O que você achou? Comente