A pandemia mudou a rotina dos brasileiros em muitos aspectos, entre eles no âmbito cultural. Com shows suspensos e teatros e cinemas ainda de portas fechadas foi preciso encontrar opções para manter as atividades de lazer. Em muitas localidades, uma das alternativas foi voltar ao passado para uma versão atualizada dos antigos cines drive-in – oriundos dos EUA, nos quais a exibição de filmes acontece em espaços abertos para espectadores motorizados, possibilitando assistir aos filmes sem sair do carro. 

 

Apoiadora das artes, a Sorocaba Refrescos foi uma das empresas que aderiu a ideia e, neste ano, patrocina uma versão do Cine Boa Praça adaptada ao formato. A ação cultural favorece a democratização do acesso às artes por meio da exibição gratuita de filmes em bairros com pouco ou nenhum acesso ao entretenimento no Estado de São Paulo. Além de fomentar a ocupação dos espaços públicos, o projeto promove uma importante integração social, estimulando a interação e a reflexão sobre temas relevantes da atualidade e já impactou mais de 40 mil pessoas desde 2012.

 

O Cine Drive-in Boa Praça vai funcionar de modo bem similar aos anos anteriores, porém, ao invés das cadeiras que ocupavam locais públicos, haverá espaço para que os carros estacionem, possibilitando acompanhar toda a programação de acordo com os atuais protocolos estabelecidos. “Foi uma forma que encontramos de seguir com o projeto, trazendo segurança para o público e obedecendo todas as normas de saúde impostas pelos órgãos responsáveis. Estamos muito felizes que as idealizadoras do projeto embarcaram na ideia e se dedicaram totalmente a realizar todas as adaptações necessárias”, diz Cristiano Biaggi, diretor-presidente da Sorocaba Refrescos.

As datas e locais que vão receber a iniciativa ainda estão em processo de finalização, assim como a lista de filmes que serão exibidos, e devem ser divulgados em breve no site www.cineboapraca.com.br e no Facebook https://www.facebook.com/CineBoaPraca.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

  escreva corporativas

O que você achou? Comente