A família está com as malas prontas no aeroporto, mas as mudanças do clima apontam para um temporal. Eventualmente em situações como essas as companhias aéreas podem cancelar o voo, mas as aeronaves estão prontas para enfrentar ocorrências de muitas chuvas.

 

Shailon Ian, engenheiro aeronáutico formado pelo ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) e presidente da Vinci Aeronáutica, lembra que o sistema aeronáutico conta com informações de estações meteorológicas e os aeroportos dispõem de instrumentos capazes de garantir a tranquilidade de pousos e decolagens: “Voar ainda é o meio mais seguro de viajar. As aeronaves e os aeroportos dispõem de equipamentos capazes de garantir a segurança de passageiros e tripulação”

 

A tecnologia a serviço do setor aeronáutico aumenta a segurança dos voos. Nos aviões, por exemplo, sistemas alertam para ocorrências como tesouras de vento. As ferramentas apontam ainda a proximidade com o solo, além de dispositivos como sensores de temperatura, descarregadores de energia estática, para caso raios atinjam a aeronave, entre outros instrumentos.

 “Todos os voos são monitorados em tempo real, e as aeronaves são seguras para enfrentar mudanças. Inclusive, estão preparadas para eventuais raios e granizo”, afirma Shailon Ian. 

 

Sobre Shailon Ian

Shailon Ian formou-se como engenheiro aeroespacial pelo ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) – a escola PREMIER no Brasil para o setor aeroespacial e aeronáutico – e serviu como tenente durante cinco anos na Força Aérea Brasileira (FAB), onde trabalhou na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e realizou mais de 200 auditorias de aeronaves e empresas em todo o mundo. Depois de deixar a organização, tem atendido clientes na área privada, trabalhando com todas as marcas e modelos de aeronaves e helicópteros corporativos. Desde 2015 é presidente e fundador da Vinci Aeronáutica e da Airshuttle.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

  escreva corporativas

O que você achou? Comente