O WebSummit Porto Sustentável convidou o diretor de Planejamento e Gestão do Complexo Industrial Portuário de Suape, Jaime Alheiros, para falar a respeito dos instrumentos de controle ambiental nas atividades relacionadas ao porto pernambucano. O executivo garante que intervenções no Complexo, como o aprofundamento do canal de acesso - várias vezes criticado pela comunidade local -, recebem monitoramento ambiental, "possibilitando as equipes realizarem medidas corretivas para evitar qualquer reflexo no meio ambiente". Na entrevista, Alheiros ainda explica iniciativas como o Viveiro Florestal de Suape e o Programa de Educação Ambiental.

suape sustentavel02Suape é referência na movimentação de granéis líquidos e cabotagem

A Licença de Operação (nº 05.16.05.002289-8) do Complexo de Suape encontra-se vigente com validade até o dia 20 de junho de 2021. Todos os empreendimentos e obras, observa o diretor, possuem licenciamentos ambientais vigentes e aprovados pelos órgãos de controle ambiental.

WebSummit Porto Sustentável - O Complexo de Suape desenvolve uma política agressiva para atração de novos empreendimentos e geração de riquezas. No entanto, segundo dados oficiais, 59% de seu território é dedicado à preservação ambiental. Como é possível garantir competitividade das operações e geração de recursos para aliar o desenvolvimento com sustentabilidade?
Jaime Alheiros - O Complexo Industrial e Portuário de Suape é composto por um território de 13,5 hectares. Deste total, 41% está destinado à implantação de novos empreendimentos, o que representa 5.535 hectares livres para receber mais indústrias e movimentar ainda mais a economia local. Portanto, podemos garantir que o recurso espaço físico não é um problema para o desenvolvimento e instalação de novos projetos. Só em 2017, recebemos aproximadamente 50 empresas interessadas em implantar empreendimentos em Suape. Algumas dessas negociações já estão perto de se tornar realidade. Os atrativos que fazem de Suape um projeto viável para os investidores nacionais e estrangeiros são inúmeros. Com localização privilegiada na região Nordeste, Suape está a um raio de 800km de sete entre as nove capitais do Nordeste (90% do PIB); de 12 aeroportos, sendo seis internacionais, e um universo de 46 milhões de habitantes. É graças a essa localização estratégica que Suape tem garantido a instalação de centros de distribuição de grandes empresas (como a Bic, Bosch e Mary Kay) e comemorou, em 2017, o início das obras da Aché Laboratórios Farmacêuticos, indústria que vai gerar mais de 500 empregos diretos para Pernambuco, com um investimento de R$ 500 milhões.

suape sustentavel jaimealheiros
Jaime Alheiros participou do WebSummit Portogente 2017

WebSummit Porto Sustentável - Os serviços relacionados à dragagem dos canais de acesso aos portos do Brasil estão no cerne da discussão ambiental, tendo sido apontados como responsáveis pela erosão na Ponta da Praia de Santos e por mortes de botos na Baía de Sepetiba, no RJ, por exemplo. Como a administração de Suape lida com essa questão, já que também é bastante questionada a respeito e é alvo de atos públicos contra novas ordens de serviço de dragagem?
Jaime Alheiros - A respeito da obra de alargamento do canal de acesso ao Estaleiro Vard Promar ressaltamos que essa intervenção que está em andamento é imprescindível, pois garante a segurança na navegação e a viabilidade operacional da área. Qualquer intervenção realizada no Porto é precedida de uma série de estudos ambientais e durante a obra uma equipe mantém o monitoramento ambiental e realiza relatórios permanentes sobre o andamento relativo às intervenções, ou seja, qualquer impacto pode ser visto com antecedência e detectado com rapidez, possibilitando que as equipes realizem medidas corretivas para evitar qualquer reflexo no meio ambiente. Esses projetos seguem todos os requisitos da ABNT em relação a estabilidade, sedimentação e método construtivo, baseados nos estudos de geotecnia e de impacto ambiental. As intervenções em áreas abrigadas ficam restritas ao porto interno de Suape, não refletindo em outros ambientes ou praias do entorno, como o ocorrido nos casos citados na pergunta. Com a dragagem, o canal passará a ter profundidade de -9m e extensão aproximada de 1.000 metros, permitindo o acesso de navios petroleiros e de minério, ampliando a capacidade operacional do Porto de Suape dentro dos padrões internacionais. É importante ressaltar, ainda, que a área onde ocorrerá a dragagem já foi objeto de outra intervenção e que pela elevada profundidade já não é explorada por pescadores ou marisqueiros locais. Além disso, a área mencionada está dentro do Porto Organizado de Suape, ou seja, está sob a regência de normas internacionais de segurança como o ISPS-Code (do inglês International Ship and Port Facility Security), em vigor desde julho de 2004, decorrente ao atentado terrorista de 11 de setembro de 2011, nos Estados Unidos. 

suape sustentavel01Administração de Suape realiza simulado anual de derramamento de óleo

WebSummit Porto Sustentável - A sustentabilidade não tem somente ligação com o meio ambiente. Proporcionar bem estar aos trabalhadores e moradores das redondezas, inovar e diminuir impactos das operações na sociedade também são itens fundamentais. O que a direção do Complexo tem feito neste sentido?
Jaime Alheiros - No que concerne às políticas ambientais desenvolvidas em Suape, a administração reforça que os investimentos estão em sintonia com uma política de sustentabilidade social e ambiental da região. Assim como mencionado na primeira resposta, o território de Suape está dividido em cinco zonas, cuja a Zona de Preservação Ecológica (ZPEC) ocupa 59% dos 13,5 mil hectares do Complexo. Essa área serve tanto para o reflorestamento, tendo papel fundamental para o meio ambiente, como também faz o papel de escudo sobre a atividade industrial e humana. Atualmente mais de 1.000.000 de metros quadrados de Mata Atlântica, restinga e mangue estão em processo de recuperação ambiental. O Viveiro Florestal de Suape, que fornece mudas para as áreas de restauração florestal, possui capacidade de produção anual de 450 mil mudas de espécies nativas por ano, que são utilizadas no reflorestamento de áreas degradadas e em compensações ambientais. A administração do Complexo reforça, ainda, que trabalha na formação de agentes multiplicadores no Programa de Educação Ambiental, que oferece cursos e oficinas gratuitos nos moldes do Programa Ambiental das Nações Unidas. Desde 2010, o Programa já capacitou mais de três mil pessoas, entre moradores das comunidades do entorno do Complexo, professores, estudantes, profissionais das empresas instaladas em Suape e pessoas de estados vizinhos sobre temas referentes à pedagogia ambiental e ao desenvolvimento sustentável. 

suape verdeFeira reúne agricultores familiares e artesãos das comunidades de Suape

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s