O ano de 2020 foi um dos mais desafiadores das últimas décadas, em alguns sentidos dos últimos séculos. Isso fez com que empresários, gestores e líderes redescobrissem a importância da gestão para a prosperidade de um negócio.

De fato, se por um lado existem coisas que são realmente imprevisíveis, por outro também há uma série de cuidados que um bom líder pode levar em conta no sentido de fazer uma boa gestão de crises, preparando-se para cenários desafiadores.

Outro ponto característico de cenários assim é que neles não costuma fazer diferença o segmento ou nicho de mercado. Nem tampouco o tamanho do negócio, seja um escritório de contabilidade em São Paulo ou uma indústria petrolífera multinacional.

Justamente, quando a crise é muito grande não faz diferença de que lado você está. Só o que pode fazer diferença é a corporação ter ou não uma boa gestão de negócios. Daí a importância de falar sobre gestão para o ano de 2021.

Além do mais, um problema muito comum é desenhar uma cultura organizacional muito positiva, mas cuja filosofia de trabalho nunca se concretiza. Ou seja, a gestão não consegue ter uma ênfase nos resultados, perdendo-se em dispersões e teorias.

Por isso decidimos escrever esse artigo, trazendo alguns conceitos indispensáveis na área e várias dicas práticas que qualquer um pode colocar em andamento. Lembrando que nós vivemos a era da sustentabilidade econômica.

Hoje, se uma startup quer participar de uma rodada com fundos de investimento, ou se uma negócio tradicional como uma consultoria fiscal busca empréstimo em bancos, a primeira coisa que se pergunta é quanto aquele negócio é sustentável.

Se os donos ou sócios não apresentarem um Plano de Negócios e uma gestão suficientemente racionalizada, que demonstre a capacidade de prever cenários ruins e resolver crises, a marca vai ser considerada fraca, e sua empresa insatisfatória.

Então, se você quer ir na direção correta e aprender de uma vez por todas como criar algo sólido e satisfatório, basta seguir adiante na leitura.

A importância do Plano de Negócios

Talvez você nunca tenha ouvido falar em Business Plan, que é o termo em inglês para Plano de Negócios. Mas mesmo nesse caso, com certeza você já levou em conta vários pontos dele na hora de se organizar profissionalmente.

Esse plano é algo intuitivo e todo empresário tem uma noção mais ou menos definida sobre seus pontos principais, que são os seguintes:

  • Descrição geral do negócio;
  • Modelo fundamental de negócio;
  • Missão, visão e valores;
  • Descrição legal da empresa;
  • Benchmarking: análise de mercado;
  • Sobre a gestão de contratos;
  • Planos gerenciais e operacionais;
  • Planos de marketing e publicidade;
  • Planos financeiros e orçamentários;
  • Pontos fortes e pontos fracos.

Os tópicos deixam claro que é intuitivo levar em conta alguns desses pontos, como a gestão legal, orçamentária e publicitária do negócio. Tanto que todo empresário já precisou, ao menos uma vez, de um advogado, um contador e um vendedor.

O importante aqui é notar que a racionalização do Plano de Negócios pode ajudar a criar uma gestão muito mais assertiva. Assim, caso a empresa venha a precisar de uma consultoria fiscal, ela já vai saber do que se trata, e terá um norte sobre como agir.

O que de pior pode ocorrer em termos de gestão é o imprevisto. Como, no caso de uma questão fiscal, o gestor descobrir que faltam números e métricas que ele nunca manteve em dia, e agora está enrascado com a própria legislação.

Ainda sobre a gestão de contratos

Até o fim vamos tratar, de um modo ou de outro, de todos os tópicos citados acima, embora não necessariamente na mesma ordem. Seja como for, um dos mais interessantes é o de gestão de contratos.

A razão para isso é muito simples: vivemos em uma sociedade contratualista. As razões políticas, filosóficas e até culturais disso não importam aqui, mas o fato é que um negócio sustentável não pode ignorar a importância dos contratos.

Eles é que vão estipular as regras de prestação entre as partes, seja em relação a sócios, funcionários, parceiros ou mesmo clientes corporativos. Aí é que entra o papel da gestão desses contratos.

Imagine uma grande empresa de transporte e movimentação de cargas, com endereços espalhados pelo país todo, a quantidade de contratos que ela pode assinar todos os meses, cada um com suas especificidades técnicas e legais.

Hoje a tecnologia pode ajudar nisso, como com softwares, programas e até aplicativos de gestão de contratos. As frentes que eles costumam atender vão desde profissionais do jurídico, passando pelo time de vendas até os Recursos Humanos.

Uma boa gestão de contratos lida com qualquer tipo de venda, serviço, obra ou projeto, mantendo em dia aspectos que, se mal resolvidos, podem gerar dores de cabeça enormes no futuro.

Como motivar os seus colaboradores?

Depois de mapear seu negócio com um bom Business Plan e fazer uma gestão impecável dos aspectos legais e contratuais da empresa, você precisa pensar no maior capital que uma empresa pode ter: o capital humano.

Sim, pois hoje vivemos o momento dos valores intangíveis, no qual as grandes marcas reconhecem que sua riqueza não está nos bancos ou nos cofres, mas nos colaboradores. É dali que pode vir uma grande ideia que vai mudar tudo, oxigenando o negócio.

Para isso, o material humano precisa estar sempre motivado e se sentir como parte de um todo muito maior, que é a empresa enquanto corporação. De fato, reduzir essa relação a um mero contrato de trabalho, no sentido formalista do termo, seria um erro.

Uma dica de ouro aqui é reforçar a cultura organizacional, ou seja, a filosofia da empresa, como os pilares de Missão, Visão e Valores, que também citamos acima.

Assim, se você trabalha com curso de capacitação online, sua missão não é apenas vender mais e mais, porém deve ser a de se superar a cada dia, até se tornar o melhor no seu segmento.

Todo grande empresário vai dizer que é preciso sonhar grande, trabalhar com integridade e dar sempre o melhor de si, tirando também o melhor do time de colaboradores.

Por dentro do mercado e da concorrência

Um erro muito comum ao pensar em gestão de negócios é acabar fazendo algo muito autocentrado. Ou seja, algo voltado demais para a marca, sem levar em conta o mercado e a situação no entorno.

Porém, um bom gestor precisa ter sempre uma visão macro, embora sem perder a visão micro. Isso implica saber o que a concorrência está fazendo, que é o benchmarking, mencionado na lista do Plano de Negócios.

A internet pode ajudar muito nisso. Se você presta serviços de tradução técnica, com poucos cliques é possível fazer análises que comparam preços, prazos, atendimento e diferenciais, o que vai reforçar esses pontos no seu próprio negócio.

O aspecto mais importante de se manter por dentro da concorrência, e do mercado como um todo, está em ganhar muito na visão de médio e longo prazo, que é um traço essencial de qualquer gestão de negócio.

Saber ouvir clientes e colaboradores

Uma das bases da gestão de negócios é a comunicação, vista não apenas como uma necessidade para evitar fofocas e ambientes tóxicos. Embora isso também seja importante, a comunicação faz parte da cultura corporativa.

Qualquer pesquisa de clima organizacional é capaz de revelar que colaboradores satisfeitos produzem muito mais. De fato, o pensamento positivo potencializa a produtividade e até mesmo a criatividade das pessoas.

Sem comunicação e liderança isso não existe. Ao mesmo tempo, também é preciso saber ouvir os clientes, preocupando-se sempre com o que está sendo dito sobre a marca, seja diretamente para você, seja na internet, nas redes sociais e daí em diante.

Não existe boa gestão sem fidelização de clientes e de colaboradores. Se a taxa de renovação de contratos está baixa, ou o turnover de funcionários está alto (eles não ficam muito tempo na empresa), é indício de que este ponto precisa de mais atenção.

Considerações finais e conselhos

Até aqui ficou claro como a gestão de negócios é algo essencial para qualquer ramo, segmento ou nicho de mercado. Um último conselho tem a ver com o espírito de inovação e de busca constante pela excelência.

Hoje essa excelência muitas vezes está ligada à tecnologia, por exemplo. Realmente, automatizar e integrar alguns processos é algo que pode fazer toda diferença na hora de manter o controle sobre os rumos da empresa.

Imagine algo indispensável como assessoria em folha de pagamento. Pode parecer simples, mas com o acúmulo de funções e o aumento do quadro de funcionários, essa frente acaba se tornando um desafio maior do que o esperado.

Por isso, tenha sempre no horizonte não apenas consultorias, assessorias e terceirização de serviços, mas também implementação de softwares e programas inovadores.

Com isso, encerramos o assunto, lembrando que 2021 pode ser um ano melhor do que o anterior, especialmente para quem levar em conta as dicas dadas acima.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

O que você achou? Comente