Joao boneco* Consultor sindical

Para os trabalhadores empregados, formais, informais e autônomos, a situação continua difícil, ainda que menos do que para os que não têm trabalho e passam fome.

Os números são desalentadores, mesmo aqueles que são manipulados para mistificar a realidade.

Sejam os empregos exagerados em 2020, sejam os resultados deprimidos das negociações de 2021, sejam as subnotificações das doenças ou mortes – todos fazem soar o alarme.

Para o movimento sindical e, sobretudo para suas direções persiste a necessidade de enfrentamento constante do desastre e a busca de soluções capazes de conter os danos.

Inúmeras campanhas salariais já terminadas ou em curso dão provas disto; as vitórias são poucas, mas significativas e testemunham a possibilidade de resistência.

A luta de todo o povo contra o vírus e a pandemia é prejudicada de maneira irresponsável pelo ministério do Trabalho que emitiu uma portaria ilegal dificultando o avanço da vacinação e impedindo o controle sobre ela nos locais de trabalho. As centrais sindicais unitariamente tomaram posição criticando a portaria e enfatizando sua firmeza em defesa do emprego, mas contrárias ao relaxamento dos controles sanitários e das medidas de prevenção.

E podem até fazer mais: exigir da Justiça uma condenação efetiva deste desmando ministerial anulando, por criminosa, a intenção malévola de dividir os trabalhadores ao confundi-los a respeito de sua segurança e a de todos.

É preciso persistência, atitude e unidade para vencer a etapa atual de dificuldades e inteligência para organizar em abril de 2022 uma nova CONCLAT que expresse a posição efetiva dos trabalhadores para uma transição necessária rumo a dias melhores.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

O que você achou? Comente