Joao boneco* Consultor sindical e analista político

Do ano da peste ainda resta vencer no calendário o mês de dezembro.

E quais seriam neste período as grandes tarefas das direções sindicais?

A primeira delas, como venho insistindo, é subir às bases, renovando os laços entre os dirigentes e seus representados, reforçando todas as redes de contatos – pessoais, presenciais, virtuais – entre os trabalhadores, ouvindo-os e prestando contas do que os dirigentes fizeram em sua defesa e representação.

A proximidade do fim do ano pode ser o pretexto da aproximação vivenciando o espírito natalino e a fraternidade.

Imaginem o efeito hoje dos votos de confraternização dos dirigentes enviados eletronicamente aos trabalhadores e às suas famílias, servindo também para organizar um catálogo permanente de contatos com a base.

A segunda tarefa a ser cumprida ainda em dezembro – e antes do Natal – é a efetivação de reuniões institucionais entre os dirigentes e os prefeitos e vereadores eleitos ou reeleitos (e em alguns casos até mesmo alguns derrotados que se destacaram nas eleições).

Nestas reuniões deveríamos falar aos prefeitos e vereadores nossas exigências de combate à pandemia, de valorização dos serviços públicos municipais (em particular os de saúde e de educação), a criação de frentes de trabalho e combate ao desemprego, os auxílios emergenciais municipais, o crédito para os micros e pequenos empresários e as medidas de combate à carestia de vida.

Muitas destas bandeiras foram agitadas nas campanhas eleitorais por inúmeros candidatos.

Cabe ao movimento sindical organizado e unido valorizá-las e ajudar que se tornem realidade atendendo às expectativas dos eleitores em todas as cidades do Brasil.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

O que você achou? Comente