Lara Krumholz*

Com o boom dos podcasts que agora chega ao Brasil, o áudio está cada vez mais presente no nosso dia a dia e podemos esperar diversos publishers embarcando nessa modalidade. E essa nova plataforma - pelo menos no gosto do brasileiro - pode ser uma excelente ferramenta e oferecer novas oportunidades para chegar ao público-alvo.

Já começamos a criar os nossos próprios cases enquanto mercado e grandes marcas já começam a olhar o formato pensando em criar relações de mais longo prazo com os seus potenciais consumidores.

Em um cenário com grande potencial de crescimento estima-se que o podcast ganhará cada vez mais adeptos nos próximos anos e será fundamental na estratégias das empresas. De acordo com dados do relatório Global Entertainment & Media Outlook 2019-2023, a receita publicitária de podcasts pode ultrapassar US$ 1 bilhão até o final de 2019, e até 2022, há previsão de que crescimento em participação (%) exceda as receitas de circulação de jornais digitais.

Embora o tempo disponível para a publicidade via podcast seja menor que o do rádio (2 minutos por hora no podcast contra 10 minutos para cada hora de programação no rádio), a hipersegmentação faz com que os públicos que escutam aos programas seja altamente engajado, como demonstra a análise realizada pela Apple em que foi constatado que a audiência de podcast ouve 90% do conteúdo dos episódios, independentemente do tamanho ou do gênero do programa.

Num movimento que acompanha a crescente demanda de anunciantes que querem falar para esse público, o Spotify, por exemplo, disponibilizou recentemente novos recursos para quem investe na publicidade em áudio: a segmentação dos ouvintes não-assinantes que ajudam ao anunciante a atingir o público relevante para cada tipo de negócio.

Por estar em um momento inicial de ganho de escala, muitos profissionais e marcas ainda estão buscando caminho para se conectar com o público desse canal. Afinal, como criar estratégias alinhadas com esse novo momento do áudio e campanhas bem estruturadas com recortes de segmentação e contextualização?

As empresas precisam cada vez mais contar com tecnologias já disponíveis no mercado, que possibilitam por exemplo leitura e transcrição dos conteúdos em formato áudio. A partir daí, poderão assegurar de que estão mesmo conversando com o público certo, na hora certa e do jeito certo. É também uma maneira de certificar-se que o espaço publicitário oferecido está inserido em um ambiente seguro e adequado para associar a sua marca.

Hoje, já contamos, por exemplo, com ferramentas que possibilitam esse reconhecimento, analisando as faixas de áudio, extraindo as palavras-chave no conteúdo, categorizando de acordo ao assunto e posicionando os anúncios caso sejam adequados para aquele conteúdo. Além disso, também é possível identificar sons que podemos ser problemáticos e restringí-los para que sua marca não se associe e conteúdos indesejáveis.

Novos espaços e comportamentos de consumo de conteúdo sempre geram novas oportunidades para estar ao lado do público com quem se quer falar. A confiança de que o podcast pode ser altamente exitoso nas estratégias de marketing já é uma realidade no exterior e no Brasil, embora em processo de maturação, as marcas pioneiras em testar esse modelo começarão a colher os frutos mais cedo.

Lara Krumholz
* É presidente da Dynadmic Brasil e vice-presidente para América Latina

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.