A maior queda no preço do combustível no Brasil foi no Mato Grosso, onde o valor passou de R$ 2,860, no início de abril, para R$ 2,522, em maio

O Centro-Oeste se destaca no ranking do Índice de Preços Ticket Log (IPTL) como a região com o etanol mais barato do Brasil. Nos primeiros 15 dias de abril, a média de preço do etanol na região era de R$ 3,059. Já no mesmo período de maio, o valor foi de R$ 2,841, o que significa uma queda de 7,13%. Em comparação com a Região Norte, que tem o maior valor do País, a diferença chega a 21%.

“O destaque da Região Centro-Oeste é, sem dúvida, o etanol, porém, temos notado quedas significativas no preço dos outros combustíveis, em relação a abril. A gasolina apresentou queda de 6,38% e foi comercializada a R$ 3,905. O diesel comum e o diesel S-10 recuaram 7,82% e 8,04%, respectivamente, e foram comercializados a R$ 3,228 e R$ 3,296”, afirma o Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil, Douglas Pina.

Quanto aos Estados, o IPTL destaca algumas alterações em relação ao estudo anterior, divulgado no final de abril. O Distrito Federal continua a apresentar o menor valor da gasolina, vendida a R$ 3,639, porém, agora concentra o diesel mais caro da região, comercializado a R$ 3,351.

Goiás segue com o diesel comum (R$ 3,096) e o diesel S-10 (R$ 3,181) mais baratos da região. Entretanto, o Estado perdeu o posto para o etanol, que na primeira quinzena foi liderado pelo Mato Grosso, com média de R$ 2,522, o mais baixo de todo o Centro-Oeste. Fechando a listagem de Estados, Mato Grosso do Sul aparece com os valores mais altos para o etanol e a gasolina, comercializados a R$ 3,134 e R$ 4,136 respectivamente.

Cenário nacional: gasolina e diesel com menor preço médio em dois anos

O estudo também revela que, no cenário nacional, a primeira quinzena de maio começou com um novo recuo no preço médio da gasolina e uma marca histórica para o combustível. O litro foi vendido à média de R$ 3,985, o menor valor registrado no País desde agosto de 2017, quando era vendido a R$ 3,896. Com dois anúncios recentes de aumento no repasse do combustível às refinarias, a alta ainda não se refletiu nas bombas.

O etanol apresentou um recuo de 7,24% nas bombas, com o valor médio de R$ 3,201. O diesel também recuou 7,34%, em relação ao fechamento de abril, quando o litro foi vendido a R$ 3,501. O combustível, que lidera o consumo em todo o território nacional, registrou no período o seu menor valor médio desde janeiro de 2017, quando obteve a média mais próxima desse valor, de R$ 3,247.

Nos postos da Região Norte, estão os Estados com o menor e o maior preço médio para a gasolina de todo o País: no Amapá, com o litro vendido a R$ 3,343; e no Pará, a R$ 4,430. No Nordeste, o destaque é o maior recuo no preço do combustível entre todas as regiões, com baixa de 6,79% no comparativo com o fechamento de abril.

Na Região Sudeste, o comportamento foi de baixa para todos os tipos de combustível, com recuo de: 5,63%, para a gasolina; 6,15%, para o etanol; 7,18%, para o diesel; e 2,41%, para o gás natural veicular (GNV). Outro destaque local é o Estado de São Paulo, que apresentou o menor preço do litro do etanol, comercializado a R$ 2,384, um recuo de 8%, no comparativo com abril.

Já os postos do Sul apresentaram os menores valores médios de: diesel, R$ 2,846; diesel S-10, R$ 2,905; e gasolina, R$ 3,727. O estudo revelou ainda que o GNV é 4% mais barato no Sudeste do que no Norte, com médias de R$ 3,165 e R$ 3,302, respectivamente.

O IPTL é um índice mensal de preços de combustíveis levantados com base nos abastecimentos realizados nos 18 mil postos credenciados da Ticket Log, que tem grande confiabilidade, por causa da quantidade de veículos administrados pela marca: 1 milhão ao todo, com uma média de oito transações por segundo. A Ticket Log, marca de gestão de frotas e soluções de mobilidade da Edenred Brasil, conta com mais 25 anos de experiência e se adapta às necessidades dos clientes, oferecendo soluções modernas e inovadoras, a fim de simplificar os processos diários.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

  escreva corporativas