* por Paulo Filomeno

 

Desde o aparecimento das ferrovias, nos primeiros anos do século 19, muitas coisas mudaram nesse meio de transporte. Da tração a vapor, passou-se à tração elétrica ou a diesel; dos trens vagarosos do passado, trens de alta velocidade competem com a aviação, cidades nasceram em função da ferrovia e hoje muitas delas deixam de ser importantes por também deixarem de ter importância para a ferrovia... entre outras muitas mudanças.

 

Mas uma coisa sempre tem acompanhado a ferrovia desde seu nascimento e evoluído com ela. São as comunicações. Sem comunicações eficientes, uma ferrovia torna-se impossível de ser operada. Desde os primeiros tempos das ferrovias, os sistemas de sinalização ferroviária iniciaram-se com o uso de bandeiras, passaram pelos sistemas telegráficos e de staff, com forte presença humana, evoluíram para sistemas de sinalização semi-automáticos e depois se tornaram totalmente automatizados, mas sempre tiveram em sua retaguarda um sistema de comunicações. E estes sistemas têm que se mostrar sempre confiáveis, disponíveis e seguros. Vidas e bens preciosos dependeram e ainda dependerão disto quando a ferrovia é o meio de transporte utilizado.

 

Atualmente, os equipamentos e sistemas de telecomunicações encontram-se num grau tecnológico nunca visto, com o uso de comunicações por fibras ópticas e por rádio freqüência, que proporcionam grande capacidade de transporte de informações. Dessa forma, a utilização destes sistemas é capaz de proporcionar uma nova gama de serviços às empresas ferroviárias.

 

Uma ferrovia que pretenda evoluir sua infra-estrutura, para um maior aproveitamento de seus recursos de tração, redução de custos, acompanhamento “on-line” de suas composições na via, sinalização eficiente, entre outras aplicações, deve considerar a utilização de modernos sistemas de comunicações como parte de sua infra-estrutura, além do que se julga como “tradicional”; a via, o material rodante, as oficinas, etc.

 

As ferrovias têm uma grande vantagem para dispor desta infra-estrutura: Elas dispõem de um bem preciosíssimo, que muitas operadoras de serviços de telecomunicações não têm, que é o direito de passagem. Qual operadora de telecomunicações tem uma faixa de uso exclusivo seu, entre capitais importantes, para poderem instalar um cabo de fibras ópticas de alta capacidade para escoar seu tráfego telefônico e de dados? As ferrovias têm isto.

 

A instalação de cabos de fibras ópticas ao longo da via dá a empresa ferroviária uma dupla vantagem, que são: i) ter a base para uma infra-estrutura de comunicações muito eficiente e ii) uma nova fonte de receita, pois ela pode alugar fibras ópticas desse cabo para empresas que necessitam ter um meio de comunicação entre uma grande cidade e outra ou mesmo prover alguns serviços de comunicação para seus clientes. Dessa forma a amortização do investimento torna-se muito mais rápida.

 

Do ponto de vista do uso da ferrovia, as fibras ópticas, aliadas a sistemas de comunicações ópticas (multiplexadores SDH, roteadores, etc.) podem transportar uma grande quantidade de informações entre quaisquer pontos da ferrovia, convergindo especialmente para seus Centros de Controle Operacional.

 

Podemos exemplificar alguns serviços que a ferrovia poderá dispor com um sistema de comunicações por fibra óptica:

 

Serviços para a Infra-Estrutura e Operação da ferrovia

·         Comunicação rápida e confiável entre o trem, estações e CCO. As estações poderão dispor de redes de computadores, que farão parte de uma grande rede abrangendo toda a ferrovia, como os escritórios, oficinas, outras estações e até mesmo com os trens;

·         Controle da frota, posicionamento da composição na via, identificação do vagão e conseqüentemente sua carga;

·         Segurança da via, com a utilização de câmeras de vigilância em diversos pontos da ferrovia, pátios, estações e oficinas.

 

Serviços para o usuário da ferrovia:

a) Se a ferrovia for de transporte de cargas:

·         Rastreio rápido da carga, de onde ela se encontra e quando irá chegar ao destino;

·         Verificação da disponibilidade de transporte para novas cargas.

 

b) Se a ferrovia for de transporte de passageiros:

·         Telefonia celular ao longo de toda a via (inclusive em túneis);

·         Acesso à Internet de dentro do trem;

·         Acesso às informações da ferrovia (verificação de horários, informações do tráfego, condições meteorológicas no destino, etc.);

·         Comunicação telefônica utilizando a estrutura da ferrovia (fonte de receita para a ferrovia e menor custo de comunicação para o usuário, pois as ligações são realizadas através de telefonia IP).

·         Acesso a informações gerais (filmes, propagandas, apresentações institucionais, etc.).

 

Tais serviços podem ser providos com a utilização de estações rádio-base ao longo da via, ligadas à rede de fibras ópticas.

 

Serviços para a empresa ferroviária:

·         Redução de custos em comunicações mais eficientes, independência da utilização de soluções da operadora de telecomunicações;

·         Novas fontes de receita, através da prestação de novos serviços aos seus usuários e aluguel da infra-estrutura de comunicação a outras empresas;

·         Mudança da percepção do cliente (tanto para ferrovias de cargas como de passageiros), aumentando a satisfação dos clientes existentes e melhorando o perfil dos novos;

·         Desenvolver outros serviços e aplicações, através do adequado gerenciamento das informações que serão coletadas.

 

Serviços para um eficiente sistema de sinalização:

·         Além do controle dos trens na via, o uso intensivo de sistemas de telecomunicações pode proporcionar uma maior eficiência da velocidade dos trens em função do perfil da linha, da carga transportada e da distância do trem à sua frente;

·         Sistemas de comunicação por rádio, com as mesmas estações rádio-base ao longo das linhas anteriormente mencionadas, podem trocar informações com o trem, tanto para comunicações com o maquinista como para coletar informações do trem. Com tais informações, por exemplo, as oficinas podem de antemão prever as peças necessárias para eventuais reparos, aumentando a disponibilidade da frota.

 

Muitos outros serviços são possíveis de serem oferecidos, uma vez que esta infra-estrutura de comunicações esteja disponível, pois a capacidade de transmissão de informações através de fibras ópticas é gigantesca.

 

Como conclusão, podemos afirmar que as empresas ferroviárias podem melhorar suas operações com um uso intensivo de sistemas de telecomunicações. Para poderem se comparar com o que já temos no exterior, as ferrovias brasileiras ainda têm que realizar grandes investimentos em suas condições gerais (haja vista o grande número de acidentes reportados na imprensa, felizmente em sua maioria apenas com danos materiais, mas porque não temos trens de passageiros...).

 

O uso de soluções baseados em sistemas de telecomunicações aumentará a qualidade das operações, elevando os padrões atuais, como, por exemplo, proporcionar aumento de tráfego sem investimentos em locomotivas e vagões, pelo maior aproveitamento dos mesmos, mudando a percepção de seus atuais clientes e garantindo outras fontes de receita.

 

Nossa experiência sugere que as ferrovias contem com os próprios fabricantes de sistemas de telecomunicações, pois estas podem proporcionar as soluções mais adequadas a esse mercado, ao contrário daquelas que as empresas operadoras em telecomunicações podem oferecer (por mais paradoxal que isto possa parecer).

 

Na maioria das vezes estas oferecem soluções padrão, ao invés de soluções customizadas, que é o que o mercado de transporte como um todo necessita.

 

Além disso, os fabricantes de sistemas têm seu próprio portfólio de serviços, que vão desde a instalação do sistema até a operação dos mesmos. A utilização de tais serviços permitirá que a empresa ferroviária tenha uma operação de alto nível de sua rede de telecomunicações e continue sempre focada na sua atividade-fim, que é o transporte por trilhos.

 

* Paulo R. Filomeno trabalha com Telecomunicações e é colecionador e especialista de itens ligados ao setor ferroviário.