Transporte / Logística

Psicólogo, professor universitário e pesquisador da USP. Mesmo com todas essas funções, Hélio Alves, aos 55 anos, ainda arruma tempo na semana para dar atenção à família e a pintura, sua mais recente paixão. Em uma exposição realizada na UniSantos, seus quadros chamaram a atenção do público que compareceu ao local por abordarem, entre outros temas, a rotina do Porto de Santos. Em entrevista ao PortoGente, Hélio conta que não sabe ao certo quantos quadros já produziu nos últimos três anos. “Eu pintava algumas telas para amigos meus, por isso hoje não sei quanto produzi. Mas valeu a pena, me divirto e sou feliz assim”.

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
Ao andar por algumas ruas de Santos, percebe-se que ainda faltam alguns passos para que se tenha uma verdadeira integração entre porto e cidade, uma expressão que se tornou chavão e sinônimo de harmonia entre as operações no cais e a população. PortoGente mostra nas próximas linhas e em várias fotos que, em alguns casos, chega a ser perigoso integrar a rotina do porto em áreas urbanas.

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
Para o ponta-de-lança Júlio César Oliveira de Moraes, de 47 anos, fazer o gol do título no Campeonato de Futebol dos Estivadores, em Santos, foi o melhor presente de 2006. Jogando pela turma 12, no time do Barcelona do Cais, o portuário é um exemplo do quanto o Porto de Santos é importante para tantos santistas. Em entrevista ao PortoGente, Júlio conta que jogou futebol profissionalmente por 17 anos, mas  realizar esse sonho só foi possível por ele ser um trabalhador portuário avulso. “Quando eu ficava dois, três meses sem jogar, era o dinheiro do porto que sustentava minha casa. Devo muito ao cais de Santos, até hoje”.

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

Barulho, desconforto, péssimas noites de sono e a conseqüente perda na qualidade de vida. Essa série de fatores nada agradáveis é resultado direto do barulho da buzina dos trens que atravessam regiões populosas da cidade de Santos. O modal ferroviário, uma alternativa fundamental para descongestionar os gargalos logísticos do maior porto da América Latina, tem tirado o sono das pessoas que moram próximas à linha férrea, especialmente no trecho da Avenida Francisco Glicério, entre o canal 1 e a Avenida Conselheiro Nébias

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
Há pouco mais de um mês os mais de 3.500 estivadores estão sendo escalados em três pontos de escalação ao longo da faixa portuária, conhecidos como P1 (localizado no Saboó), o P2 (situado em frente à Santa) e o P3 (instalado na avenida portuária, próximo ao canal 6, em Santos).

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
O que você achou? Comente