Santos Brasil ultrapassa a marca de 100 mil contêineres em Santos

O Terminal de Contêineres (Tecon) Santos, terminal de contêineres administrado pela Santos Br...

Leia Mais

Aprender inglês online é fundamental no comércio exterior; concorra a aulas grátis

Sólidos conhecimentos do idioma inglês são fundamentais para o sucesso de profissionais nos segmen...

Leia Mais

Blog do Bruno Merlin

Consad e direção da Codesp alegam colaborar com investigações sobre a Draga Jato

Foi batizado pela redação de Portogente de "Draga Jato" o caso que norteou uma série de publicaçõe...

Leia Mais

Portos do Brasil

Lista destaca três dos projetos mais avançados do PPI ligados aos portos brasileiros

Um dos ministros melhor avaliado do governo de Jair Bolsonaro (PSL), Tarcísio Gomes de Freitas, lí...

Leia Mais

No passado, os navios de passageiros brasileiros utilizados na cabotagem (navegação costeira) eram os veículos de transporte costeiro entre o Norte e Sul, isso até por volta de 1960. Por isso existiam várias companhias marítimas que conduziam passageiros e cargas.


O Almirante Alexandrino ex-Cap Roca, por volta de 1930. Foi
construído em Hamburgo, Alemanha. Foi apreendido em 1917 e
recebeu o nome Itu. Passou para o Lloyd Brasileiro em 1925 e operou
em rotas internacionais e domésticas. Em 1962 deixou de navegar.
Acervo do autor.

Assim, havia armadoras operando na cabotagem, como o Lloyd Brasileiro; Sociedade Anônima Lloyd Nacional, proprietária dos navios Araranguá, Araraquara, Araçatuba e Aratimbó;  Empresa Nacional de Navegação Hoepcke , cujos navios eram os famosos Carl Hoepcke, Anna e o pequeno vapor Max; Pereira Carneiro; e Companhia Nacional de Navegação Costeira.

As duas principais eram o Lloyd Brasileiro e a Cia. Costeira. Os navios das duas companhias deixaram os nomes imortalizados na história da navegação mercante do Brasil.


O Raul Soares ex-Cap Verde, ex-Madeira da Hamburg Sud, construído
em 1900. Era navio de emigrantes. Possuia uma enorme chaminé. Foi adquirido pelo Lloyd Brasileiro em 1925 para a linha Brasil-Alemanha.
Sua antiga armadora era a Hamburg-Sud. Passou por duas guerras, e
teve um fim triste. Durante a Revolução de 1964, serviu como navio
prisão no Porto de Santos. Acervo J.C. Rossini.

Da memorável e ampla frota do Lloyd Brasileiro podem ser destacados os navios Dom Pedro I, Dom Pedro II, Mauá, Almirante Jaceguay, Almirante Alexandrino, Rodrigues Alves, Campos Sales, Buarque, Cantuária, e Raul Soares. Este último prestou grandes serviços à Nação, mas como navio prisão na Revolução de 1964.

Da Costeira, cujos navios, foram mencionados na canção de Dorival Caymi e imortalizados no livro “Capitão-de-longo-curso” de autoria de Jorge Amado, podem ser lembrados os da série Ita, como: Itaimbé, Itaquicé, Itassucé, Itaité, Itaquatiá, Itaberá e Itatinga.


Passageiros do vapor Iraty, da Pereira Carneiro & Cia, por volta
de 1925 no Porto de Santos.

As escalas abrangiam a partir do Rio Grande do Sul – Porto alegre, Pelotas, Rio Grande, passando pelos portos da costa, até alcançar os estados do Pará e Amazonas – Belém, Santarém, Óbidos, Parintins e Manaus.

As viagens eram demoradas, como exemplo, uma viagem entre Santos e Manaus, caso corresse tudo bem, levava 25 dias. Eram vários os portos de escala.

Os paquetes de cabotagem, como eram chamados os navios (e ainda o são, em Portugal) atracavam entre o cais dos armazéns 1 e 5 da Cia. Docas de Santos.


Cartão-postal do paquete Carl Hoepcke da Empresa Nacional de
Navegação Hoepcke. Transportava carga e passageiro. Construído
em 1926. Acervo: Edson Lucas.

Ressalto, que a minha primeira viagem de navio foi em 1950, aos cinco anos de idade, a bordo do Cantuária do Lloyd Brasileiro, cujo destino foi a Capital Federal, o Rio de Janeiro.

Aliás, era mais fácil ir a bordo de uma embarcação de Santos ao Rio do que subir a São Paulo para embarcar em um tem da Estrada de Ferro Central do Brasil.

O Cantuária saiu do cais do Armazém 4 no meio de uma tarde de verão e chegou no dia seguinte por volta de 12 horas, onde atracou no cais do Lloyd, próximo da Praça XV.


O cartão-postal de 1925, mostra o local onde os navios de passageiros
da cabotagem atracavam no Porto de Santos. Acervo do autor.

Vale ressaltar, que o Cantuária foi um dos quatro navios mistos (carga e passageiros) de características idênticas adquiridas pelo Lloyd da armadora estadunidense Moore-McCormack Lines, na década de 1930.

Um dos navios-irmãos era o Buarque, que foi a pique após ter sido torpedeado durante a Segunda Guerra Mundial.

Da compra fizeram parte mais seis cargueiros, que contribuíram para que a frota não parasse durante a grande guerra, diante de 21 torpedeamentos realizados por submarinos nazistas.


O Cantuária, do Lloyd Brasileiro, na belissima aquarela de autoria
de Julio Augusto Rocha Paes.

O Cantuária, ex-Scan States foi construído em 1919 no estaleiro da American International Shipbuilding Corporation, de Hog-Island, na Pensilvânia – Estados Unidos.

Seu deslocamento era 5.613 toneladas, media 128,20 metros de comprimento, desenvolvia a velocidade de 13 nós, dispunha de 90 camarotes para passageiros e grandes espaços para cargas. Foi demolido no início dos anos 1960.

No início da década de 1960 o Lloyd Brasileiro adquiriu quatro transatlânticos que ficaram conhecidos como Cisnes Brancos (Anna Nery, Rosa da Fonseca, Princesa Isabel e Princesa Leopoldina) devido à predominância da cor branca nas suas pinturas.

Mas os tempos já eram outros e os passageiros nas viagens nacionais davam preferência aos ônibus e aviões. Era o fim de uma era.

Imagem da semana


A Bandeira do Brasil tremulando na popa do transatlântico Anna
Nery, atracado no Porto de Santos, na década de 1970. O Anna Nery
chegou em 1962 e foi vendido em 1978. Pertenceu à Companhia
Nacional de Navegação Costeira. Posteriormente passou para o Lloyd Brasileiro. Foto: Julio A. Rocha Paes.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s